A História de Priston – Da Criação ao Despertar de Kelvezu

No início de tudo, havia vários deuses, que criaram o mundo e deram origem à vida no continente de Priston. Alguns destes deuses, os mais importantes, chamavam-se Gallantia, Tempritos, Skronipe, Midranda, Awell, Migal e Mardanos. Destes, Tempritos governava os outros deuses.

Houve uma época em que a terra de Priston era opulenta e próspera, onde todos viviam em paz com a terra de Priston. Então apareceu Majok, que estimulou Midranda a se revoltar e ajudá-lo a destruir Tempritos e os outros deuses. A guerra dos deuses, então, estourou, opondo Tempritos e Majok. A batalha final foi travada no Campo de Batalha dos Anciões, onde Tempritos e os outros deuses enfrentaram o exército de Midranda e Majok. Ao fim, Majok foi expulsa do continente e Priston foi devastado. Gallantia desapareceu e Midranda foi trancada no Enigma, deixando para trás vários monstros. Destes monstros, muitos foram aprisionados em Cristais, onde deveriam se acalmar e ser poupados para uma possível nova guerra. Além disso, muitos outros foram presos no Calabouço Antigo, uma prisão ancestral que deveria contê-los.

Babel, o general de Midranda, desapareceu no fim da guerra, intimidado com o poder dos deuses. Outro grande guerreiro de Midranda, o Fúria, foi aprisionado pelos anciões em uma estrutura que, após a guerra, ficou conhecida como o Templo Maldito, pois os monstros dali passaram a adorá-lo. E o Senhor da Escuridão, Valento, foi selado no meio de um deserto, no Templo Senith. Após muito tempo, o templo foi esquecido e a desapareceu em meio ao deserto. Após aprisionar os grandes senhores do exército de Midranda, os grandes anciões se retiraram para o deserto. O local de seu descanso ficou conhecido como o Refúgio dos Anciões, onde eles se levantam após a morte para expulsar os invasores.

Após a batalha entre deuses e monstros o sangue de bravos guerreiros foi derramado em um local que ficou envolto em chamas e escuridão, o Vale do Fogo. Somente os mais corajosos ousam pisar neste solo que hoje é cercado de um ar causticante e possui um clima extremamente sombrio. Durante a batalha ocorrida, alguns dos deuses benevolentes de Priston uniram suas forças e se sacrificaram para selarem os monstros dentro do Vale do Fogo. Mas um deles disse antes da morte ao feiticeiro Ardhorant: “Este não é o fim. Em breve o mal se levantará novamente. Para isso lhe encarrego a tarefa de recrutar 25 bravos guerreiros para abrirem o portar para o Vale do Fogo e acabarem com as forças do mal que tentarem romper o lacre sagrado”. O feiticeiro retornaria anos mais tarde, para recrutar tais guerreiros.

Além disso, durante a guerra dos deuses Midranda amaldiçoou um dos filhos de Tempritos, Mauldor, transformando-o em um bruxo da escuridão. Ele ficou conhecido então como o carrasco, por ter destruído várias vilas e cidades de Priston para vingar seu tutor. Mesmo com a guerra entre os deuses terminada o carrasco Mauldor continuou a conduzir exércitos para a luta. No entanto, um antigo general das forças dos Morions, Sir Ellyan, lutou com Mauldor. A luta entre eles durou muito tempo, e seus esforços finais foram em um jardim próximos da onde seria a cidade dos Tempskrons. Na batalha final, Ellyan derrotou Mauldor e o decapitou. O sangue de Mauldor fez Ellyan e seus últimos soldados tornarem-se criaturas horrendas: os Duendes Macabros. No entanto, através de sua feitiçaria, Mauldor conseguiu sobreviver, e fugiu, jurando vingança no futuro. O local da derrocada de Mauldor ficou conhecido como o Jardim da Liberdade.

Com o fim da Guerra dos Anciões, as sereias, criaturas poderosas, retornaram para seu lar: um lago localizado no meio de uma cadeia de montanhas no deserto, onde os raios solares não ousam chegar. Após o retorno das sereias, um grande mal se abateu sobre o lago, transformando as criaturas que ali viviam em monstros vis e gananciosos. As sereias tornaram-se profanas e passaram a governar o lugar.

Seguiram-se séculos de decadência e, então, ao norte, os sobreviventes prósperos em poderes mágicos se auto-denominaram Morions, pois seu estilo de vida visava a religião e a moralidade. Com o poder concedido a eles pelos deuses Migal e Mardanos, eles ergueram uma cidade flutuante para que, caso o caos voltasse a surgir, eles estejam a salvo. E aqueles ao sul, acreditando ser descendentes dos deuses Tempritos e Skronipe, se auto-denominaram Tempskrons. Eles eram uma raça guerreira, cheia de técnicas de combate e pouca mágica. Enquanto os Morions ao norte utilizaram a magia para se erguer, os Tempskrons ao sul se desenvolveram através das máquinas por eles criadas. Ricarten, como foi chamada sua cidade, tornou-se o centro comercial do mundo conhecido, onde praticamente qualquer item pode ser encontrado. Além disso, outros sobreviventes seguiram para outras partes do continente, fundando a Vila Eura à nordeste e Navisko à sudeste.

Ambas as regiões foram tão devastadas que todos os traços da civilização anterior se foram e o conhecimento antigo foi perdido. Os sobreviventes começaram do zero, levando séculos para levantar novamente suas queridas terras.

Mesmo assim, tudo estava bem, até que a influência de Majok retornou, e os monstros, que já foram bons, tornaram-se maus. Os adoradores do Santuário Sombrio, monstros que idolatram Midranda e se esconderam em um Santuário erguido a ela, vieram à tona. Além disso, ocorreu uma revolta no Calabouço Antigo, e os monstros tomaram o controle do lugar, reaparecendo e escapando de onde eram aprisionados. Nessa época, espíritos malignos fugiram de sua prisão e foram habitar as árvores das florestas e matas do continente, assombrando elas.

Navisko, outrora a próspera cidade do deserto, um descanso entre o Oasis e o Campo de Batalha dos Anciões, foi misteriosamente amaldiçoada. A maioria dos moradores morre ou foge para Pillai ou Ricarten. Os que decidiram permanecer agora não podem mais sair e, graças a maldição, à noite eles se transformam em monstros e perdem o controle.

Temendo a volta de Midranda, foi criado Bellatra. Os líderes das tribos Morion e Tempskron uniram-se para fazer de Bellatra um centro de treinamento. Os guerreiros treinaria e aprenderiam e, no caso de Midranda ou Majok retornar, haveriam clãs aptos a levantar-se. A não ser que Priston se unisse, eles não teriam chance em uma nova guerra. E Bellatra trouxe a Priston essa união.

Nestes tempos, a maior parte da terra dos Tempskron é de ruínas, enquanto a paisagem dos Morions estava intocada, graças à mágica concedida a eles por Migal e Mardanos. Como os Tempskrons carecem de mágica, eles não puderam restaurar as ruínas ao que eram anteriormente. Houve então Tempskrons que viajaram ao norte e encontraram Morions no Centro do continente. Ali uma aliança foi formada, e os Morions se dispuseram a transformar as terras destruídas dos Tempskrons em belas trilhas naturais. Então, naquele ponto, foi criada a Vila Ruinen, como um ponto médio entre a jornada de Pillai a Ricarten e também um ponto de descanso para os heróis que lutariam contra os monstros de Calabouço Antigo. Além disso, a terra aonde fica a entrada do Calabouço Antigo foi transformada em um posto de guarda nesta época.

Certo dia, um Morion estava explorando a Floresta das Ilusões quando encontrou uma abelha estranha, e resolveu segui-la. Isso o levou à Caverna das Abelhas, onde uma estranha maldição transformou as abelhas do local em terríveis monstros. Além disso, foi descoberta uma estranha ligação entre essa caverna e o Santuário Sombrio, o que preocupa as autoridades, visto que monstros pareciam fugir do Santuário Sombrio por ali. Algo parecido aconteceu com um Tempskron que estava caçando Wolverines em Mata das Acácias, quando descobriu a Caverna dos Cogumelos.

Como as cavernas eram lotadas de túneis secretos e enormes, seria impossível a destruição destas áreas. Mesmo assim, guerreiros foram encorajados a matar os habitantes de tais locais para garantir a segurança de Priston, e guardas foram colocados na entrada das cavernas para impedir a fuga de monstros.

Um ancião Tempskron, pesquisando antigos poderes mágicos, inventou o Portal. Agora há transporte entre as áreas mais importantes e as cidades, tornando possível a defesa de qualquer território. O rendimento era usado para adaptar Ricarten à batalha. Então Ricarten foi transformada em uma cidade que poderia resistir a um cerco. Enquanto isso, em Pillai, o sábio Newter inventou seu próprio meio de teleporte.

Algum tempo após a fundação da Vila Ruinen e do posto de guarda para o Calabouço Antigo, o antigo general de Midranda, Babel, se revelou e conduziu um exército de Ciclopes para devastar o posto de guarda, que ficou conhecido como Terra Maldita. Além disso, insatisfeito com apenas isso, Babel conduziu seu exército para Vila Ruinen, que não foi capaz de resistir à ameaça Ciclope. Babel então se retirou, e seu paradeiro a partir de então permaneceu desconhecido.

No entanto, Babel voltou a aparecer. Conduzindo um exército de Punhos de Aço, Babel devastou a Vila Eura. Mesmo os habitantes da vila, armados e treinados para um ataque, não resistiram ao exército de máquinas. Após destruir Eura, Babel voltou a desaparecer.

Mais tarde, além do Campo de Batalha dos Anciões, foi encontrada uma área singular. Ela foi chamada de Estrada de Ferro do Caos e, em seu meio, estava o Coração de Perum. Neste local, resquícios de Midranda podem ser encontrados, incluindo experimentos com armamento, mágica e máquinas. Aqui também foi descoberto o paradeiro de Babel, o general de Midranda. Ele se abrigou em meio ao Coração de Perum, comandando os exércitos de monstros de longe.

Algum tempo depois, o Templo Senith, há muito esquecido, voltou a aparecer. E o Senhor da Escuridão, Valento, conseguiu quebrar o selo que o mantinha preso. Então os deuses enviaram Religan, o semideus, para conduzir um batalhão de guerreiros para impedir o Valento. No entanto, após escapar de emboscadas e vencer os desafios do Templo Senith, os guerreiros acabaram vencidos pelo Senhor da Escuridão. O Valento, então, segue para o Vale Gallubia, onde reúne seu antigo exército e congela tudo ao seu redor.

No entanto, o estardalhaço causado pelo retorno do Valento acabou despertando um demônio adormecido no vulcão no centro do Santuário Congelado. Kelvezu, o dragão abissal, a criatura mais poderosa concebida por Midranda. O vulcão passou a ser conhecido como Covil de Kelvezu e é habitado pelas criaturas mais temidas do mundo de Priston.

Além disso, com o retorno de Valento, o frio assolou os lugares próximos do Vale Gallubia, e Vila Eura passou a ser um local gelado. Com tal frio o exército de máquinas que a assolava enrijeceu e, incapazes de resistir ao frio, retornaram para Perum, onde Babel não ficou nada contente.

Esse post foi publicado em Outros e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para A História de Priston – Da Criação ao Despertar de Kelvezu

  1. sacanagem esta história … e babel n ficou nada contente! kkkk

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s